Brasil

Memorial da Resistência de São Paulo

O Memorial da Resistência é um espaço de memória que trata dos horrores da violência da ditadura militar brasileira. Ele está acomodado na antiga sede do Departamento Estadual da Ordem Política e Social de São Paulo, na cidade de São Paulo mesmo, no bairro de Santa Ifigênia. A iniciativa não é única na América do Sul, eu já visitei o Espacio Memoria de Buenos Aires e  Museo de los Derechos Humanos do Chile (logo sai o post, calma!). Inclusive, no segundo semestre de 2017 estive dedicada a uma pesquisa sobre esse tipo de lugar de memória.

o corredor para o banho de sol

O Memorial da Resistência é grátis e conta com acervo permanente e exposições temporárias muito interessantes. Ambos dedicados ao tema da resistência, repressão e luta pela democracia no país. A temática me parece muito pertinente cada vez mais, para que nunca mais deixemos que isso nos aconteça.

O acervo permanente conta com extensa cronologia dos fatos que antecederam o golpe militar em 1964, o período em si e a abertura à democracia disposto da seguinte forma:

O edifício e suas memórias;

há mensagens por todos os lados do memorial da resistência

Controle, repressão e resistência;

tem alguns recursos de interatividade.

O cotidiano das celas do Deops;

diversas ações de educação patrimonial, muitos grupos e possibilidade de visitas guiadas

Da carceragem ao centro de referência.

Para mim, um dos pontos altos da visita são as antigas celas – sim ali era uma prisão não clandestina de presos políticos, e sim ali as pessoas eram torturadas e até mesmo mortas, ou sobreviviam em condições deploráveis – algumas ambientadas como se estima que eram durante a ditadura.

Outro é o espaço para pesquisas, onde se podem acessar réplicas de fichas de alguns dos presos que ali estiveram, ou no sistema.

Além disso, durante minha visita (outubro de 2017) eu tive a oportunidade de visitar duas exposições temporárias que me comoveram muito, uma era sobre cartas que eram escritas por e para os presos, ainda quando isso era possível.

E em certa altura da exposição, podia-se abrir envelopes com réplicas delas. É de arrepiar e certamente soltar uma ou outra lágrima lendo esse material.

E a outra exposição temporária que visitei no Memorial da Resistência foi sobre as formas de repressão em diferentes países da América Latina.

O Memorial da Resistência é um passeio de educação patrimonial que eu recomendo muito, não é divertido,  não é lindo (aliás, fica em uma zona bastante degradada da cidade, mas tem estacionamento no fundo, fica do lado da Sala São Paulo que vale a visita e pertinho da Pinacoteca do Estado – que para mim é um dos melhores museus de arte do país, então vale organizar um percurso completo pelos espaços), mas é absolutamente importante pra entendermos o que fomos. Você já visitou?

Curtiu? Então Comenta! Compartilha! Faz uma blogueira feliz!
Já segue o @comendochucruteesalsicha no Instagram? Lá você acompanha tudo em tempo – quase – real.
E você já curtiu a página do facebooK? Curte lá!

Salvar

Salvar

Salvar

Salvar

Mostrar Mais

Posts Relacionados

8 Comentários

  1. É preciso lembrar para não repetir. Acho extremamente válido esse tipo de museu! Todos deveriam ir. Hoje em dia tem tanta gente que fala pela volta da ditadura militar sem acreditar em tantas maldades que aconteciam.. Que fico pasma!

  2. Eu fui à Sala São Paulo fazer uma visita guiada e como faltava um tempinho corri lá para visitar mas confesso que não vi com a devida atenção. Preciso voltar. Acho que conhecer melhor o que ocorreu nesse período é importante. Eu que sou mais velha passava por lugares no Rio que só muitos anos depois soube que eram prisões de presos políticos. Bacana seu post. beijocas

  3. Poli, acho muito interessante a forma como você aborda esses espaços! Sou super a favor a uma série especial no blog com espaços dedicados à memória desses períodos tenebrosos da História! Lembro bem de seus relatos sobre Buenos Aires e Santiago. Continue! Fico no aguardo de novos “episódios” da série!
    (ah… bom saber que dá pra casar com uma visita à Pinacoteca!)

  4. Poli, eu não sabia da existência deste museu tão informativo. Fiquei com dó por não ser mais divulgado, ainda bem que você corre atrás destes points culturais e traz para o blog. Outro ponto é a localização né? Em São Paulo fico só na vontade de certos museus porque sempre vou com criança e de transporte público e quando o lugar é perigoso, eu tiro da lista. Infelizmente. Como sempre, seu blog muito completo. Parabéns.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Close
Close