Europa

Dublin, por onde começar?

O último final de semana foi dedicado a vistar Dublin, a capital da Irlanda… um país chamado as vezes de o Tigre da União Européia considerando seu elevado crescimento econômico no início dos anos 2000 (em alusão aos Tigres Asiáticos). Fui para conhecer e também para visitar o Jeverson, estimado ex-aluno-orientando e amigo!
Eu custei muito a começar a escrever este post pois usualmente quando visito uma cidade vou vendo as coisas e pensando: ahhh tal coisa preciso colocar no Blog…. ou ahhhhh nossa esse aspecto preciso descrever… Só que dessa vez a alegria e as conversas intensas com Jever não me deixaram pensar dessa forma… e Cá estou, buscando as palavras para dizer para vocês como me tratou Dublin!
Na chegada no modernoso e novinho aeroporto me deparei com duas coisas que me marcaram na cidade: as placas todas em inglês e… gaélico o estranho idioma nativo falado por 10% da população do país (mas mesmo para 10% eles colocam tudo nessa língua) e o sotaque dos irlandeses em inglês: quem entende??? Era caso de rir para não chorar!!!
Chegando ao centro da cidade já curti o ambiente, o climinha da cidade – que mesmo com um pouco mais de 600 mil hab respira um ar provinciano – cheio de bares (pubs), músicos, transeuntes… gostei! Logo encontrei o Jeverson e foi só o tempo de deixar a bagagem no hotel e já fomos dar uma volta e tomar alguma coisa em um dos muitos pubs! Mas ele malandramente me levou a uma região – turística – onde só tem Pubs chamada Temple Bar com muitos, muitos pubs! Um mais legal que o outro, com música excelente, gente bonita! Gostei mesmo!
No dia seguinte demos uma longa caminhada para ver na luz cinza do dia os detalhes da arquitetura, parques, pontes, estátuas… tudo muito interessante! A comida não é a melhor do mundo, gordurosinha e pouco saudável, e sempre regada com muita cerveja!! Aliás, é bastante curioso que na cidade não tenham muitas opções para comer como comparativamente tenham para beber! O pessoal bebe bem e bebe valendo.
O clima de Dublin merece um parágrafo específico: deixaria Curitiba morrendo de inveja de tão instável: ora esquenta, ora esfria. Ora chove, ora abre sol! tudo em fração de 10 ou 20 minutos… uma loucura… os cabelos pedem arrego de tão arrepiados!!
Ainda na sexta, fomos visitar a antiga fábrica da famosa cerveja Guinness, e lá eles mostram o processo de produção, a história, os comerciais mais emblemáticos, há degustação… tudo em um prédio adaptado para visitação de sete andares que mostra detalhes  muito bem dispostos. Adorei. a visitação é interessante, para quem ama cerveja deve ser mais. E também me fez pensar como pode uma marca ser símbolo de um país. Será que um dia a Havaianas, Pitu ou Guaraná Antarctica chegam lá?  E precisaria chegar? Bem fiquei elocubrando isso, pois realmente a Guinness têm muita expressão turística (a sua fábrica é um dos atrativos mais visitados, e possivelmente dos mais caros – 22€ a entrada inteira, mas os estudantes que éramos pagamos meia – da cidade) e a marca é emblematicamente relacionada à cidade. Tal qual a Bud para os EUA. Mas ao menos lá (tb nos EUA, mas esse não o tema do post) a Guinness é largamente consumida em todos os Pubs! Timtim!
Com um lindo dia de sol, no sábado fomos para uma cidadinha chamada Howth, litoral. Caminho lindo e a cidade com um arzinho de Punta del Este, mas sem a badalação! Bono Vox mora lá, mas não me deu o ar de sua graça (é que não era um sunday bloody sunday néam?). Passamos a manhã e parte da tarde lá, papeando, bebendo vinho e caminhando um pouco. Gostei mesmo do lugar, muito gracioso. Mas a praia? estranha, muito estranha: sem areia, somente pedras grandes e pequenas…  não me pareceu convidativa a um ‘lagarteamento’ mas…
Na volta, mais caminhada por Dublin, mas fotos, mais conversa e risos… com a noite encerrada na casa do Jeverson com mais vinho e muito mais conversa.
No dia seguinte, mesmo domingo com o comércio aberto foi o dia de beter uma perninha e ver umas vitrines e realizar umas comprinhas, pois turista bom é turista que gasta, correto? (ao menos eu ensino isso pros meus alunos, hahahah – not). Mesmo no último dia na cidade ainda me chamava atenção o fluxo do trânsito correndo no lado contrário ao que estamos acostumados (é a famosa mão inglesa) e ao cruzar as ruas pintado no asfalto à guisa de aviso aos distraídos: olhe pra esquerda, ou olhe para direita. Pois eu mesma sempre que tinha que olhar para direita olhava para esquerda. A força do hábito da vida toda me perseguia….
A volta a Frankfurt foi tranquila, com o susto habitual de ouvir todo mundo falando alemão do meu lado… e ver o aviãozão da TAM no pátio (suspiro de saudade)…..
Mas o pensamento reinante sobre Dublin é que é uma cidade legal, como diz o Jeverson mais legal de noite do que de dia. Não é a capital européia mais imperdíveil, magine. Mas é legal. Uma coisa que amei lá e que me chamou atenção o tempo todo durante a visita é que a cidade com seus mil anos de história parece ter saído das páginas de Harry Potter, parecia que a qualquer momento iria dar de cara com o Beco Diagonal, tomar uma cerveja amanteigada e ver um jogo de quadribol. Fofura!
E o pensamento reinante sobre a viagem a Dublin é que foi ótima! Falar falar falar português (e ouvir também, não só do Jeverson, mas dos muitos brasileiros que tem lá), estar com uma pessoa super feliz que conta muitas novidades! Foi ótimo, foi como sentir-se meio que em casa novamente.
Que tal conferir algumas fotos?
Próxima Parada… Colônia!

Quem mais acha que essa ponte se parece com a Puente de las Mujeres em Puerto Madero, Buenos Aires?
modernix o estádio né?
Essas esculturas representam os irlandeses fugindo da fome rumo aos EUA depois que os ingleses envenenaram as batatas. Era tão impressionante….
Oscar Wilde, com cara de quem não tá nem aí para a batata envenenada…
Parlamento irlandês
que tal esse prédio com muita cerca viva??? adorreei.
Um lindo parque urbano… mas uma ventania arrumada…
e que tal o uniforme escolar?
e as tulipas suadinhas? lindas!!!
gente, eu não sei quem eram ou o que eram. tavam na rua, fui tirar uma foto deles e não contentes em fazer pose, me cercaram! Irish way of life!
essa peituda é cartão postal da cidade, mas não sei quem é nunca vi mais gorda!
uma vista a partir do campus da Universidade, Trinity
ranguinho suculento
ei-la: a fábrica da Guinness
a água pura da cerveja, um dos seus segredos… risos
degustandooo! isso é um prato de comida de tão pesado! hahahha
até a assustadora boneca da janela bebe guinness gente!
cenário urbano
Howth
Howth
e essa placa quer dizer o que: cuidado ao cair no mar?
e esse muro assustador??? em Howth
com um gêmeo em Dublin
fachada de Pub
fachada de Pub
fachada de Pub
fachada de Pub
fachada de Pub
fachada de Pub
Nessa cidade, até igreja vira Pub. detalhe para o órgão lá em cima…. e o busto do fundador da Guinness (Arthur Guinness) que se casou nessa mesma igreja…
comidinha boa no pub-igreja!
Etiquetas
Mostrar Mais

Posts Relacionados

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Veja Também

Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar