Europa

Arte Cemiteral e Territorialidades no Cemitério de Mainz

Na frente da Universidade tem um cemitério gigante – mas quando eu digo gigante quero dizer exatamente isso, visto do Google Earth a Uni e ele parecem do mesmo tamanho (!!)- e já fazia tempo que eu queria dar uma chegadinha lá para checar, pois parecia sempre muito bem cuidado. Ontem fez sol, e quando isso acontece devemos aproveitar e passar algum tempo ao ar livre, é necessário mesmo, e mesmo com -5 graus saí mais cedo do trabalho e fui ao cemitério munida de minha câmera fotográfica.
Muito claramente constatei que certo mesmo estava meu professor de redes e território do doutorado: a sociedade reproduz seus modelos de terrotório no cemitério: quem é rico continua mostrando isso até depois de morto e os pobres idem, os cemitérios têm seções diferentes para religiões distintas e assim por diante.
Aqui em Mainz o que pude ver foi  muita arte, tumbas familiares enormes com estátuas lindíssimas, uma área apenas para crianças (repleta de brinquedos), uma parte destinada aos mortos na segunda guerra mundial, muitas tumbas comuns, capelas, e uma impressionante e grande área judaica com direito a sinagoga, entrada separada e um alambrado separando (quase um gueto cemiteral).
Era tudo limpo, bem cuidado, nada de flores de plástico desbotadas, meio vazio…. os túmulos judeus com suas esperadas pedrinhas em cima (eles consideram que colocar uma pedrinha é um sinal de respeito ao morto, pois quer dizer que a família visita esse túmulo. isso vem do tempo em que os túmulos eram cobertos por pedrinhas e os vândalos as retiravam e as familias as recolocavam) e uma forte mensagem contra os “assassinos da vergonha” durante a segunda guerra mundial!
Me chamou atenção também outra coisa… os seres que os familiares escolhiam para adornar os tumulos: havia muitos anjos; criaturas egípcias; damas gregas, adornos natalinos, musicais e maçônicos; cruzes; santos variados não vi….; mas vi a face do morto esculpida em gesso e/ou mármore….
Vejam as fotos:

seção dos mortos na II Guerra
Uma bonita entrada
os ricos sempre ricos até na morte
dos tempos em que Mainz tinha forte cultura francesa
um anjo em mosaico
egipcio?
chapeuzinho vermelho?
maçon
uma senhorita triste e solitária
seção infantil
o anjo que cuida da seção infantil
moderninho e de gosto duvidoso
musical
agoniante
gueitoizado
pedrinhas respeitosa
Etiquetas
Mostrar Mais

Posts Relacionados

Um Comentário

Veja Também

Fechar
Botão Voltar ao topo
Fechar